Rescaldo de viagem

Toda vez que se faz uma viagem, curta ou longa, não importa, nossa rotina, de alguma forma, é quebrada.
Desta feita, fiquei quase um mês viajando, e claro, muitas histórias para relatar. Mas algumas, como o do pé quebrado da minha cunhada, nem é bom lembrar! Ou a do nosso tapete, comprado no longinqüo Marrocos, Marraquech, mais explicitamente, e que continua suas andanças pelo mundo, como o da velha história dos tapetes voadores... por conta de um clamoroso erro da conceituada empresa FEDEX, também não vem ao caso, pois a história ainda esta inconclusa!
De forma que me resta contar o desaparecimento de centenas de fotos, da viagem, do meu computador.
Ao todo foram 850 imagens captadas nessa viagem. Delas uma boa parte eram de Lisboa, onde a fartura de varais me fez um turista de olho neles! Janelas, portas e varais foram meu alvo preferido. Claro, a minha mulher e nossos amigos ao lado de monumentos e paisagens interessantes também fazia parte desse cenário.
Ao chegar no Brasil, resolvi organiza-las por paises e cidades. Aí é que cometi o erro fatal. Abri pastas para o Marrocos, pasta para o Porto, pasta para a Espanha e Lisboa, naturalmente.Não sei que bobagem cometi, que numa dessas organizações, DELETEI a pasta de Lisboa, com tudo que nela estava guardado.
Já tentei de TUDO para ver se conseguia recupera-la. Até o restauro do computador, da lixeira e etc...Nada! Perda fatal.
Não quero de forma alguma comparar a dor do pé quebrado da minha cunhada, nem a perda provísória do nosso importante e grande tapete antigo, mas o sumisso das minhas fotos me deixou em estado de profunda depressão.
Rescaldo de uma viagem.
Postado por Eduardo P.L.

VIAGEM

Sempre que penso em viagem, vem o avião e esse fato que me aconteceu há tempos.
Estava em viagem no exterior, no embarque vi a uma moça bonitinha, percebi que era brasileira assim que a vi.
Pensei, bem que ela poderia pegar o mesmo voo, não deu outra, lá estava ela na minha frente fazendo o chek in.
Conversando amenidades, sentamos em poltronas encostadas. Vi logo que a moça estava muito solicita e fui conversando.
Disse-me que era do Paraná/Maringá, estava trabalhando numa multinacional e bla, bla, bla.
Sentia um clima bem amistoso e alegre, dávamos risadas com nossas conversas.De repente a moça fez a pergunta cretina…
- Quantos anos você acha que eu tenho?
Logo prá mim que sou péssimo para quantificar idades dos outros.
Quando minha mãe fez uns 60 anos, pense que tinha uns 49, 48, era quase a minha idade.
Tá certo que minha mãe foi muito bonita mas pera aí.
Bom, voltando ao avião, pensei. Essa moça parece-me ter uns 35, mas vou disser que tem bem mesmo.
Calculei e disse.
- Você deve ter uns 28 no máximo 30.
Não me esqueço a cara de espanto dela, levantou-se imediatamente após eu falar a idade.
Retirou as bagagens de mão que estava no maleiro, vestiu o casaco e saiu sem dizer nada.
Parecia que iria descer no próximo ponto.
Foi sentar-se lá no fundo numa cadeira vaga, quando descemos cruzamos e nem me olhou, eu passei a não existir para ela.
Nessa de quantos anos você acha que eu tenho.Tô fora, nunca mais.
Fernando Zanforlin, arquitetowww.fernandozanforlin.blogspot.com

19 comentários:

Eduardo P.L. disse...

Depois que recebi esta resposta do GUGA, sobre a possibilidade de darmos VIDA a este blog, que andava muito parado...

Caro viajante, não estou conseguindo nem respirar por aqui. Estou sozinho no escritório com 500 trabalhos e mil e uma dívidas.
Até.
Abração


Que vi uma ponta de ironia no viajante, tomei a mim a responsabilidade de postar! E falar da VIAGEM, sim, por que não?
Ao Guga devo dizer que esse monte de trabalho é òtimo sinal...as dívidas serão pagas...um dia!
hahaha!
Abçs a TODOS.

disse...

ai ai ai ai ai aiii!!!!
Acho que eu morria se perdesse as fotos....entendo perfeitamente a tua depressão...só um consolo...vai passar ,como tudo(rs)
Vou arranjar um tempo ´para contar a minha história...
Beijos e condolências sinceras{;}}

peri s.c. disse...

Creio que um bom especialista, munido do programa certo, conseguirá recuperar suas pastas, que como tudo que é sólido, também podem se desmanchar no ar, ou mesmo nas entranhas de mau-humorados HDs.

Guga está melhor que eu. Modestamente estou só com uns 10 trabalhos e apenas 101 dívidas, eh, eh.

GUGA ALAYON disse...

ahahaha
caro viajante, sem ponta de ironia qq...
Peri, troco minhas dívidas pelo seus trabalhos, topa?

sonia a.m. disse...

Eduardo, nem sei o que dizer...as únicas palavras que me ocorrem é lamento....lamento....que pena...
Mas quem sabe um bom especialista como sugeriu o Peri possa recuperar as suas fotos. Antes da era das digitais e do PC, me lembro das pessoas perderem as fotos abrindo a máquina antes do tempo e velando as fotos, lembra disso?

Mas como você é artista, tem um trunfo! Pode desenhar e traçar com a ajuda da memória visual e afetiva as imagens da sua viagem. Mais ou menos como os viajantes dos séculos passados...
Beijos!

Anônimo disse...

Bom texto para animar o pessoal.

--------------------------------------------------------------------------------

Quanto ao problema :

1. acho que existe solução, mas você terá que consultar bons especialistas
em computação, existem programas que recuperam o que foi deletado.
e existem empresas especializadas nisso : recuperar dados deletados e de HDs
que pifam.

2. sobre fotografia ( e trabalhos importantes ) : em minhas duas viagens à Itália, fiz 1200 e 900 fotos em cada uma delas, tinha calafrios com os filmes feitos : como evitar acidentes ( perda, roubo, mau processamento no laboratório )
com as fotos digitais ficou mais fácil, apesar de computadores não serem seres confiáveis, já perdi muito trabalho.
a palavra mágica para rir dele ( computador ) chama-se backup.
e agora com o advento dos pendrivers, ficou fácil.
hoje existem os de 8 e 16 mb, que são de ótimo tamanho para fotógrafos caudalosos.
legal em viagem, descarregar as fotos todas as noites e com mais um cuidadinho, passar também para cds : 2 backups, um na mala, outro na bolsa de mão ...e dormir tranquilo.

abraço
P.

Anônimo disse...

Eduardo, lamentável. Algo semelhante aconteceu com a nossa grande amiga Helô, que deletou a agenda eletrônica dos amigos blogueiros. Ela tentou recuperá-la pelo UNDELETE. Não sei se conseguiu, parece que não, em todo caso, não custa tentar.
Grande abraço.
Adelino

ery roberto disse...

Eduardo, às vezes cometo uns desastres pela minha rapidez de operação do teclado e do mouse. Outro dia abri o pendrive e fiz algumas operações. Em seguida, lembro ter clicado sobre uma pasta e esbarrei sem querer no botão e no teclado e devo ter feito algo mais que não lembro. Nada demais, até descobrir, no outro dia, que uma pasta com dados importantes havia sumido. Busquei de todas as formas e quando já estava conformado com a perda descobri que havia transferido para dentro de outra pasta do mesmo pendrive e antes a tinha renomeado, motivo pelo qual não achava utilizando o "Pesquisar-->Arquivos ou Pastas" do INICIAR. Não acredito que tenha sido seu caso, ou... quem sabe? Já fez todas as pesquisas possíveis?

De qualquer forma, existem uns "japas" por aí que são mágicos para recuperar arquivos nessa situação.

Abraço.

Ruvasa disse...

Viva, Eduardo!

Nem todas se poderão recuperar, está visto. Por exemplo, aquelas em que vocês estão.

No entanto, as de varais e de portas e janelas de Lisboa talvez não seja muito difícil conseguir.

É só pedir aos amigos de cá. Cada um faz um punhado de fotos que, depois, lhe envia. E que tal?

Por mim, não me importo de contribuir. Terei até muito gosto. Diga-me apenas uma zona ou zonas de Lisboa onde colheu fotos e de quê.

Fico à espera.

Abraço

Ruben

Ruvasa disse...

Viva, Eduardo!

Mas... pensando segunda vez: Como foi possível ter perdido as fotos, por tê-las deletado?

Só se as deletou também do Recycle bin, pois que, caso contrário, estão lá e é só fazer um restore.

Não se zangue comigo por parecer que estou a desfrutá-lo, mas é que, por vezes, no desnorte de termos perdido coisas que consideramos muito valiosas, esquecemos o óbvio.

Abraço

Ruben

Eduardo P.L. disse...

Amigo Ruben,

agradeço muito sua preocupação, mas o que poderia ter sido feito, por um amador, é verdade, foi.
Quanto a repetir imagens é absolutamente impossível. Cada varal, de cada casa, tem uma roupa diversa, com uma luz determinada, numa hora qualquer do dia! Nunca esses quatro elementos irão se repetir da mesma forma e condição!
Isso, sem falar no modo de olhar, que cada fotógrafo faz da sua maneira, e estilo.
Mas valeu sua preocupação. Fico muito sencibilizado com sua atitude!
Os amigos, na verdade nunca deixaram o Varal sem imagens, e o que me aborrece é o fato da perda, não da falta!

Tenha um bom fim de semana!
Abraço amigo!

Maria Augusta disse...

Eduardo, sinto muito por esta perda inestimável. Imagino todos os belos varais que você tinha captado em Lisboa. Como o pessoal já disse, talvez um bom técnico possa recuperá-las, se você não as deletou sem querer elas estão em um repertório imprevisto.
Bom, neste tema de viagens tenho "pano para manga", depois passo por aqui para colaborar.
Abraços.

Helder Ribau disse...

Olá...

vim visitar este (en)canto.. e dizer que regressei...

Helder

Eduardo P.L. disse...

Maria Augusta,

Helder,

obrigado pela visita e comentários. Esperamos suas COLABORAÇÕES com um conto....!!!

Eduardo P.L. disse...

Fernando,

me desculpe...só HOJE (01/07/08) entrei na CP e vi seu CONTO. Esta postado, mas desculpe o LONGO atraso!

Forte abraço,

sonia a.m. disse...

Fernando,
Você relatou uma história que diz muito a respeito dos tabus que existem em relação à idade. Pelo jeito a moça era mais nova e ficou ofendida com a sua avaliação...

Eu tenho várias histórias a respeito desse tabu em relação à idade, pois defendi tese que focalizou as imagens dos idosos vistos através das páginas do jornal Estadão e também escrevi um livro, "O Que é Velhice", (Brasiliense) que fala sobre o assunto. Você deve ter conhecimento de quanto preconceito existe em relação à idade e ao envelhecimento... Inclusive o Eduardo já leu o livro, pois enviei um exemplar a ele.
Bjs.

Fernando Zanforlin disse...

Hi, Sonia, ter preconceito de idade é uma coisas muito curiosa, mesmo, uma tese sobre o assunto, muito legal. Uns querem parecer ter mais , outros parecer ter menos a eterna insatisfação.
bj.

João Menéres disse...

Fernando Zanforlin,
O que eu estava pensando escrever como comentário à cena da moça bonitinha de Maringá, acabo de ler na sua resposta de 5 de Julho.
Mas é que eu acho mesmo que a moça não era tão moça assim e estava querendo um papo mais logo. Por uma fotografia sua, que tenho na ideia, o FZ é capaz de ser um pouco mais velho que os tais 35 que inicialmente avaliou para ela. E aí, ela pensou,"eu que tenho 52 anos, este cara a dar-me 28/30? Não, não posso permitir que o coitado seja acusado de pedofilia". E, aí, se mandou, frustrada para o fundo do avião... É, foi isso ! O FZ devia ter dito era a sua própria idade (60 e quantos, não ?) e não ter dado palpite. Tudo se tinha arranjado à vontade dos dois, creia.
Bem, falando mesmo mais a sério, ela tinha 23 anos e eu estava na poltrona ao lado daquela onde ela se veio sentar!
Não lembra FZ, não??? Pois o papo, mais tarde, bem mais tarde, foi muito "útil". E não sou mais novo que FZ, mas não me atrevo a palpites, sabe ?

João Menéres disse...

FZ :
Acabei de ler a sua outra história, a do Toni Sandovai.
Não é que o azar o persegue mesmo ?
Um abraço compreensivo.

.

.
conte o seu : qcucaup@gmail.com